Reconstrução anatómica ou não anatómica em pacientes com instabilidade crónica da articulação acrómio-clavicular. Qual a melhor abordagem?

Reconstrução anatómica ou não anatómica em pacientes com instabilidade crónica da articulação acrómio-clavicular. Qual a melhor abordagem?

 

Anatomic and non-anatomic reconstruction improves post-operative outcomes in chronic acromio-clavicular instability: a systematic review

Francisco Xará-Leite, Renato Andrade, Pedro Silva Moreira, Luís Coutinho, Olufemi R. Ayeni, Nuno Sevivas, João Espregueira-Mendes

 

Em que consistiu o estudo?

Revisão sistemática da literatura que teve como objetivo analisar os resultados da reconstrução anatómica e não-anatómica da articulação acrómio-clavicular (AC) em pacientes com instabilidade AC crónica e determinar qual técnica é superior.

Um total de 28 estudos envolvendo 799 participantes foram incluídos na revisão. As técnicas de reconstrução anatómica incluíram a utilização de enxertos tendinosos ou sintéticos de origem autóloga ou alográfica. As reconstruções não-anatómica incluíram maioritariamente as técnicas de Weaver-Dunn ou Weaver-Dunn modificado.

reconstrução anatómica da articulação acromioclavicular

 

E a que resultados se chegou?

  • Ambas as abordagens anatómica e não-anatómica da articulação acrómio-clavicular resultaram em melhorias significativas na dor em função do ombro dos pacientes em instabilidade crónica da articulação AC.
  • A taxa de falha cirúrgica foi semelhante quando usado a reconstrução anatómica (7.5%) ou não-anatómica (8.5%).
  • Apesar de ambas as abordagens anatómica e não-anatómica da articulação acrómio-clavicular mostrarem resultados positivos, os estudos comparativos mostram uma tendência para melhores resultados na reconstrução anatómica.

 

O que ficamos a saber com este trabalho?

  • Ambas as reconstruções anatómica e não-anatómica da articulação acrómio-clavicular mostram resultados positivos.
  • Uma conclusão definitiva de qual a melhor abordagem não foi possível ser obtida.
  • Até ser comprovado com base em evidencia científica robusta que uma abordagem é superior à outra, o cirurgião deve tomar a decisão de qual técnica irá usar baseando-se na sua experiência e preferência do paciente.

Radiological and clinical outcomes.

REFERENCE Sub-groups Pain (VAS) Return to same level work Post-op RX C-C distance ROM (º)
Pre Post % Avg time (mo) (mm) Difference to uninjured side (mm)
w/out stress w/ stress (10kg) w/out stress w/ stress (10kg)
Lopez-Alameda, 2018 [28] 1) ModWD 6.9 1.8 96 NR NA NA NA NA NA
Kocaoglu, 2017 [20] 1) ModWD NA NA NA NA NR 15.6 NR 3.3 NA
2) AUTOgraft (PL) NA NA NA NA NR 13.9 NR 1.1 NA
Mucciolli 2016 [30] 1) LARS NA NA NR 5 NA NA NA
Spencer 2016 [42] 1) ModWD NA NA NA NA NA NA NA
2) ALLOgraft tunnel NA NA NA NA NA NA NA
3) ALLOgraft loop NA NA NA NA NA NA NA
4) Synthetic + ALLO loop NA NA NA NA NA NA NA
Tauber 2016 [47] 1) AUTOgraft (Gr, SB) NR 2.13 NA NA NR 13.1 ± 5.4 NR 6 ± 4.6 NA
2) AUTOgraft (ST, TB) NR 0.93 NA NA NR 10.7 ± 5 NR 3.1 ± 3.3 NA
Hegazy 2016 [14] 1) ModWD 4.8 ± 1 1 ± 0.3 NA NA 13.3 ± 3 15.9 ± 4 NR NR Abd 174 ± 4, Flex 171 ± 7, ER 56 ± 9
2) AUTOgraft (ST) 4.9 ± 0.3 0.4 ± 0.2 NA NA 11.7 ± 3 12.1 ± 3 NR NR Abd 178 ± 2, Flex 179 ± 3, ER 66 ± 6
Lee 2015 [24] 1) ModWD NA NA NA NA NR 11.9 NR 1.7 Abd 163.5, Flex 165.7, ER 50.7, IR 73.3
Parnes 2015 [32] 1) ALLOgraft (ST) 8.1 ± 1.3 0.58 ± 0.79 100 6 NR NR NR 1.0 NA
Vitali 2015 [55] 1) Vascular NA NA NA NA NA NA NA
Saccomanno 2014 [38] 1) AUTOgraft (ST) NA NA NA NA NA NA NA
Kumar 2014 [22] 1) ModWD NA NA 100 3.5 NA NA NA
2) Surgilig NA NA 100 1.5 NA NA NA
Struhl 2014 [44] 1) Double endobutton w/ continuous loop NA NA NA NA 8.5 ± 2.4 NR 1.1 ± 1.2 NR NA
Virtanen 2014 [54] 1) AUTOgraft (ST & Gr) NR 1 ± 2 (rest)

3 ± 3 (activity)

NR 3.6 NA NA NA
Wang 2014 [57] 1) Conjoined Transfer 4.7 1.2 100 3.7 11.4 NR NA Abd 172, Flex 170, ER 56
Fauci 2013 [11] 1) AUTOgraft (ST) NA NA NA NA NA NA NA
2) LARS NA NA NA NA NA NA NA
Jensen 2013 [17] 1) AUTOgraft (PL) NR 4.1 ± 2 NA NA NR 24.8 3 ± 2.3* NR NA
Kim 2012 [19] 1) ModWD NA NA NA NA NR 8.9 ± 1.6 NR NR NA
Windhamre 2010 [60] 1) WD w/ PDS braid NR 0.7 (rest)

1 (activity)

NA NA NA NA NA
2) WD w/ hook plate NR 2.4 (rest)

3.7 (activity)

NA NA NA NA NA
Fraschini 2010 [12] 1) Vascular NA NA NA NA NA NA NA
2) LARS NA NA NA NA NA NA NA
Boileau 2010 [5] 1) ModWD NA NA 90 3 NA NA NA
Bezer 2009 [4] 1) ModWD NA NA 100 NR NA NA NA
Tauber 2009 [46] 1) ModWD NA NA NA NA 12.3 ± 4 14.9 ± 6 NR NR Abd 171 ± 7, Flex 172.5 ± 6, ER 57 ± 7
2) AUTOgraft (ST) NA NA NA NA 11.4 ± 3 11.8 ± 3 NR NR Abd 176 ± 4, Flex 177 ± 5, ER 63 ± 8
Ejam 2008 [10] 1) Hook Plate NA NA NA NA NA NA NA
Jeon 2007 [18] 1) Surgilig NA NA 91 1.25 NR 7 NA NA
Adam 2004 [1] 1) ModWD NA NA NA NA NA normal/improved (n=11, 92%), decreased (n=1, 8%)
Pavlik 2001 [33] 1) ModWD NA NA 94 NR NA NA NA
Dumontier 1995 [8] 1) ModWD NA NA 88 NR NA NA NA
Weinstein 1995 [59] 1) ModWD NA NA 78 NR NA NA NA

 

Legend:  Abd – Abduction; A-C – Acromio-Clavicular; Avg – Average; C-C – Coraco-clavicular; ER – External Rotation; Flex – Anterior Flexion; Gr – Gracillis; LARS – Ligament Advanced Reinforcement System; Lig – Ligament; mo – Months; ModWD – Modified Weaver-Dunn procedure; PL – Palmaris Longus; ROM – Range Of Motion; RX – Radiological; SB – Single Bundle; ST – Semitendinous; TB – Triple Bundle; VAS – Visual Analog Scale; WD – Weaver-Dunn procedure.

Este artigo poderá ser consultado a revista KSSTA no link abaixo indicado.

Xará-Leite, F., Andrade, R., Moreira, P.S. et al. Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc (2019).

https://doi.org/10.1007/s00167-019-05408-3

Sabia que exite uma nova técnica cirúrgica para o tratamento da artrose do joelho? Saiba mais no Link

0 responses on "Reconstrução anatómica ou não anatómica em pacientes com instabilidade crónica da articulação acrómio-clavicular. Qual a melhor abordagem?"

Leave a Message

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ultimos Tweets

Meios de Pagamento

top
Dom Henrique Research Centre all rights reserved
Translate »
X